Imóveis compactos, decoração simples e tons ‘calmos’ devem marcar 2017

poltrona_2A tendência é que 2017 seja um ano de economia: imóveis menores, decoração pouco colorida e projetos de design ou jardinagem mais em conta, segundo especialistas.

No mercado imobiliário, os protagonistas serão os apartamentos compactos, com até dois dormitórios e valor em torno de R$ 400 mil.

Apartamentos com dois dormitórios, entre 45 m² e 60 m², com valores a partir de R$ 300 mil, não devem ficar muito atrás, afirma Luiz Fernando Moura, diretor da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias). “São imóveis-curinga, os mais procurados em qualquer época.”

A venda de apartamentos e o número de lançamentos, contudo, só devem apresentar uma melhora no segundo semestre, motivados por um possível cenário de queda na taxa de juros e de estabilidade política e econômica, afirmam os especialistas.

Em relação ao número de lançamentos, a consultoria imobiliária Geoimovel prevê 134 novos empreendimentos na capital em 2017. O Secovi-SP não tem uma estimativa.

Entre os lançamentos, os destaques serão os empreendimentos múltiplos, que oferecem diferentes tipos e tamanhos de unidades, afirma Celso Amaral, diretor corporativo da Geoimovel. “Isso aumenta as chances de o cliente comprar um apartamento em um edifício, já que existe uma maior variedade de opções”, explica.

Enquanto o cenário não melhora, as incorporadoras devem se empenhar para vender as unidades em estoque, diz Pedro Fernandes, presidente da Associação Brasileira do Mercado Imobiliário.

A redução dos estoques, no entanto, pode ter como consequência um aumento no valor de venda das unidades, observa Fernandes. “O ano que vem será de retomada para o mercado imobiliário.”

SIMPLICIDADE A TODO CUSTO VAI DEFINIR DECORAÇÃO

Tons neutros e objetos sustentáveis devem ficar em voga na decoração em 2017, segundo designers.

Simplicidade é o termo que vai definir o novo ano, afirma Sueli Garcia, do escritório de consultoria P.O. Box: “Haverá redução de excessos. Os ambientes terão poucos ornamentos”.

A diminuição do tamanho dos imóveis, que não comportam mais tantos objetos, e a crise econômica colaboram para essa tendência, diz Garcia.

45 m² e 60 m², com valores a partir de R$ 300 mil, não devem ficar muito atrás, afirma Luiz Fernando Moura, diretor da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias). “São imóveis-curinga, os mais procurados em qualquer época.”

A venda de apartamentos e o número de lançamentos, contudo, só devem apresentar uma melhora no segundo semestre, motivados por um possível cenário de queda na taxa de juros e de estabilidade política e econômica, afirmam os especialistas.

Em relação ao número de lançamentos, a consultoria imobiliária Geoimovel prevê 134 novos empreendimentos na capital em 2017. O Secovi-SP não tem uma estimativa.

Entre os lançamentos, os destaques serão os empreendimentos múltiplos, que oferecem diferentes tipos e tamanhos de unidades, afirma Celso Amaral, diretor corporativo da Geoimovel. “Isso aumenta as chances de o cliente comprar um apartamento em um edifício, já que existe uma maior variedade de opções”, explica.

Enquanto o cenário não melhora, as incorporadoras devem se empenhar para vender as unidades em estoque, diz Pedro Fernandes, presidente da Associação Brasileira do Mercado Imobiliário.

A redução dos estoques, no entanto, pode ter como consequência um aumento no valor de venda das unidades, observa Fernandes. “O ano que vem será de retomada para o mercado imobiliário.”

SIMPLICIDADE A TODO CUSTO VAI DEFINIR DECORAÇÃO

Tons neutros e objetos sustentáveis devem ficar em voga na decoração em 2017, segundo designers.

Simplicidade é o termo que vai definir o novo ano, afirma Sueli Garcia, do escritório de consultoria P.O. Box: “Haverá redução de excessos. Os ambientes terão poucos ornamentos”.

A diminuição do tamanho dos imóveis, que não comportam mais tantos objetos, e a crise econômica colaboram para essa tendência, diz Garcia.

A designer observa ainda que os ambientes serão compostos por cores neutras, como o off-white, e derivadas de elementos da natureza, como o marrom.

Em um cenário de casas pequenas, os móveis modulares, que permitem a constante customização dos espaços, também devem fazer sucesso, apontam Alexandre Salles, professor do Istituto Europeo di Design, e Noura Van Dijk, vice-presidente da Associação Brasileira de Designers de Interiores.

Para os dois profissionais, o uso de peças recicladas e de fibras naturais nos projetos também ganham força neste ano.

É A VEZ DAS PLANTAS MAIS SIMPLES, QUE DEMANDAM POUCOS CUIDADOS

A crise econômica vai ditar até a escolha das plantas para o jardim. Em vez de projetos suntuosos, com plantas grandes, surgem como alternativa mais barata suculentas, cactáceas e hortas orgânicas, que exigem pouca manutenção, aponta a paisagista Ana Paula Magaldi.

Segundo ela, entre todos os gêneros, são as suculentas que devem ter mais destaque.

A Sansevieria cylindrica, mais conhecida como lança-de-são-jorge, a dasilírio, ou rabo-de-dragão, e a Agave filamentosa são algumas sugestões da paisagista.

A vantagem das suculentas, lembra, é que não precisam ser regadas com muita frequência e se adaptam bem tanto ao calor quanto ao frio.

Levar as plantas do jardim para dentro de casa também deve ser outra tendência. “Além de decorativas, algumas espécies ajudam a purificar o ar de casa”, observa Sueli Garcia, sócia do escritório de consultoria P.O Box.

Sistemas de reúso da água para o jardim e o uso de revestimentos sustentáveis em áreas externas também serão uma preocupação maior daqui em diante, afirma o paisagista Alex Hanazaki: “A sustentabilidade será uma obrigação, não apenas uma preocupação”.

EM TEMPOS CONTURBADOS, CORES FICAM COM A TAREFA DE TRANSMITIR SERENIDADE

O “greenery”, ou verde-folhagem, é a cor do ano segundo a Pantone, instituto conhecido por seu sistema de cores. Aqui no Brasil, outros tons também ganharam a tarefa de representar 2017. Em comum, têm o fato de serem pouco vibrantes e transmitirem calmaria.

O Comitê Brasileiro de Cores, que pesquisa as tendências do setor, por exemplo, escolheu o azul “sky” como o tom do ano -semelhante ao do vestido da Cinderela.

“Nesses tempos conturbados, nada melhor do que tons azuis para trazer paz e tranquilidade às nossas vidas”, explica a presidente do comitê, Elisabeth Wey.

A marca de tintas Coral escolheu uma cor parecida: o azul “mergulho sereno”, que tem um toque acinzentado. O motivo da seleção foi o mesmo: “Ajudar as pessoas a encontrar a paz”.

O vermelho avioletado “cortina de teatro” foi a escolha da Suvinil para 2017. “A cor terrosa representa a origem do Brasil, que está em um momento de busca de identidade”, diz Ana Kreutzer, consultora da marca.

Já a Lukscolor elegeu o marrom amarelado “lizard”, que, segundo a marca, torna os ambientes “envolventes e aconchegantes”.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/sobretudo/morar/2017/01/1845653-imoveis-compactos-decoracao-simples-e-tons-calmos-devem-marcar-2017.shtml